8 de fev de 2010

A moda não pegou

Cerca de 700 caras sujas tiraram a tarde de domingo para fazer uma passeata em Brasília exigindo a saída de Arruda do governo do Distrito Federal. Apesar de escassa, a manifestação foi bem maior do que aquelas que não têm sido realizadas pelos escândalos do governo Lula afora.

Não que Arruda não mereça ser posto no olho da rua. Ele tem que sair agora do lugar onde jamais deveria ter entrado. Mas, não merece ir para a rua, merece é não andar na rua. A Papuda é um bom e merecido parque de diversões para ele e seus asseclas, especialistas em panetone.

O pífio protesto de ontem, porém, tem duas fortes razões: 1ª) é promovido por petistas de carteirinha, cutistas, cegetistas, filhotes de sindicatos espúrios e algumas almas que poderiam ser ingênuas mas que já perderam a virgindade; 2ª) o escândalo é uma degradação tão banal hoje nesse País que já tirou do povo o poder de indignar-se.

A maioria dos que andavam ontem pelas ruas de Brasília - com pirulitos de Fora, Arruda! - ainda não foram alcançados pelos mais de 100 mil novos cargos criados pelo seu presideus Lula. A expectativa é que, com a saída desse rufião da coisa pública brasiliense e seus panetoneiros, caia do céu alguma boca rica para eles. É por isso que seu passeio pelo Planalto Central do Brasil não comove ninguém.

Que Arruda e sua pandilha têm que sair, não há dúvida alguma. Duro é saber que até agora não tenha acontecido nada com Zé Dirceu e seus 40 sevandijas. A melhor manifestação de que se tem notícia nesses últimos anos aqui no Brasil foi aquela bengalada no aprendiz lulático de Golbery do Couto e Silva. Pena que a moda não pegou.