11 de fev de 2010

O LADO RUIM DA NOTÍCIA

A confirmação pelos vetustos julgadores do pedido de prisão para Zé Beto Arruda é o lado bom da notícia; o lado ruim é que - segundo repórteres setoristas do Planalto - o presideus Lula ficou inconsolável com o veredito da Justiça. É só o lado ruim, já que de Lula não se poderia esperar outra reação.

Pelas mesmas fontes, ele teria achado que o fato de prenderem um governador de estado vai repercurtir de forma desfavorável para o Brasil lá fora.

Para quem considera Sarneys e Renans e Collors "pessoas não comuns", acima da lei, da ordem e progresso, o quadrilheiro Arruda e seus sevandijas deveriam ser intocáveis.

Para Lula, ao contrário de ser um exemplo da seriedade, da ética e da moral da Justiça e do comportamento da nação brasileira, a decretação da prisão de um corrupto ativo e passivo "pega mal" para o Brasil.

Sua contrariedade é compreensível: no fundo, no fundo, essa decisão da Justiça pode virar jurisprudência...Essa reação de Lula não é notícia; já se sabia. É só o lado ruim da notícia.

ARRUDA SE ENTREGA

Os porta-vozes que deram vez a advogados e guarda-costas no des/governo do DF anunciaram com pompa e circunstância que Arruda se entregaria espontaneamente.

Vinda de quem vinha, tratava-se de uma informação em que se poderia até acreditar, não pelo que tivesse de nobreza e de respeito à lei, mas pelo temor de que, em resistindo ou procurando asilo na embaixada da Venezuela, ele acabe se transformando num Zelaya brasileiro.

É uma hipótese. Hugo Chávez e Lula se entendem e Marco Aurélio Sargento Garcia pode intermediar as negociações. Amorim obedeceria cegamente. E Arruda passaria, como o golpista hondurenho, a ser um exilado dentro do país que, assim como pensa a ratatulha política, ele também acha que é de sua propriedade. Arruda cumpriu a ordem de prisão candidamente porque sabe que está sendo acusado de "estar atrapalhando as investigações".

Isso, para a Justiça, é o maior risco. E o menor crime. É coisa de baixa temporada. Vai pagar pouco pelo alojamento. E vai ver que ainda há de exigir, amanhã ou depois, a bolsa-presídio de quase R$ 800 por mês.

Mesmo agora que Arruda honrou sua palavra e foi parar em cômodo especial por algum tempo, o deboche, o escárnio, a afronta à honra e à honestidade continuam à la gaita. Arruda vai ficar um tempo nessa prisão especial. Não muito tempo. Isso nem é pena; o que é uma pena.

Mas o rabo da porca ainda continua torcido. Tanto é que o procurador-geral da República Roberto Gurgel está pedindo ao Supremo Tribunal Federal a intervenção federal no Governo do DF. É que, de cima abaixo, de cabo a rabo, todos na linha de sucessão de Arruda, inclusive o vice Paulo Octavio, que está com o pé que é um leque para assumir o cargo, também estão com a cola presa no processo da Operação Caixa de Pandora.

Arruda pode ficar descansado, vai ter vida boa: ele tem a prerrogativa de prisão em sala de estado maior, concedida a governadores - "pessoas não comuns" mais iguais que todos nós diante da lei. A benesse dá ao Rei do Panetone o direito de ficar preso em quartel general e distrito policial.

É bom que fique bem claro para o presideus Lula, para o Brasil Da Silva e para o mundo inteiro que Arruda deixou a residência oficial do des/governo, em Águas Claras, para passar o carnaval em cana; mas não é por bebedeira não.

Se porre desse cadeia, o Brasil Da Silva já estaria cumprindo pena em regime fechado há quase oito anos.

RODAPÉ - Lástima que a prisão de Arruda seja preventiva. Para que fosse exemplar, inclusive para quem está "inconsolável", ele deveria ser condenado a prisão perpétua com trabalhos forçados.