7 de set de 2010

Nada de Novo no Front

Por enquanto essa vida é um pedacinho de Paraíso, de Goiás. Depois vai virar um inferno ter que aturar o bafo permanente de Lula na nuca e os cutucões de Temer por baixo dos panos.

A RECEITA
"Apurar, doa a quem doer" é fácil demais. Basta achar laranjas. Achar e vender pelo preço de sempre. O que se precisa saber é por quê e para quem os invasores de sigilos fiscais cometem essa violação. Essa é a única Receita para crimes sórdidos como estuprar a cidadania. Mais do que os violadores, os mandantes da invasão de privacidade merecem punição. Essa quadrilha de sabotadores está pedindo justamente aquilo que mais gostam: um dossiê.

NADA DE NOVO NO FRONT
Essa pressa toda que Lula pediu para o ministro de sua Justiça exigir da Polícia Federal na apuração do caso de mais um dossiê - ops! - no caso da quebra de sigilo fiscal dos tucanos é a verdadeira "chuva no molhado". Quando a operação terminar, se terminar, a PF terá chegado a duas grandes novidades: primeira, os violadores são todos filiados ao PT; segunda, o PT não sabia.

JEITINHO BRASILEIRO
O Brasil é assim mesmo, o cara entra em casa pega a mulher em flagrante com o jardineiro e resolve logo o problema: no dia seguinte transforma o jardim em um pomar. O governo, ao invés de acabar com a mortandade no trânsito, ordena o uso da cadeirinha de bebê. Agora, em caso de acidente fatal, as crianças ficam órfãs. E o Brasil continua campeão mundial em tragédias na rua, na estrada, na fazenda...

DONA FLOR
No palanque de Valparaíso, cidade satélite de Brasília, Dilkma trocou as bolas e apresentou Agnelo Queiroz como candidato ao governo de Goiás. Levou um cutucão de Lula - que Michel Temer nem estava lá para isso - e só então discurso grosso e forte como se já estivesse eleita: - Agora eles tão com medo de uma mulher dar certo. Mas vou falar pra vocês: essa mulher aqui vai ser a primeira presidente do Brasil. Ela vai ter que ter aquilo roxo para aguentar Michel Temer cutucando por baixo e Lula bafejando na nuca. Dilma está mais para Dona Flor eseus dois maridos do que para presidenta.

VERSÃO ATUAL
Se a história de Jorge Amado "Dona Flor e seus dois maridos" transcorresse no Irã, do companheiro bom e batuta Mahmoud Ahmadinejad, hoje mais recente versão de Dona Solange - a Mulher da Tesoura, não chegaria a palácio nenhum; acabaria com pelo menos duas doses de 99 chibatadas e uma avalanche de pedradas no corpo.

BAFO E CUTUCÕES
Se chegar lá, Dilma não terá resistência física, nem mental - como mulher alguma no mundo, por presidenta que seja, teria aquilo roxo - para aguentar o bafo de Lula na nuca pelo poder e os cutucões de Temer por baixo dos panos pelas bocas-ricas do governo. Dilma só terá uma alternativa para ser presidenta: trair os dois, como fazia Dona Flor com seus dois maridos. Sorte para ela que o Distrito Federal não fica na Bahia, o Brasil não é o Irã e nem Brasília é Teerã.