16 de set de 2010

Guerra Perdida

Erenice Guerra caiu. Perdeu a batalha para a alvejante Veja. Só falta agora Lula dizer de novo que "se é bandido, a gente descobrindo a gente pega".


A atitude mais politicamente correta agora, seria estufar o peito e dizer, como disse lá em Santa Catarina, carregando a mala da Ideli Salvatti: "Vocês viram o que aconteceu agora no Amapá"...

E hoje, como ontem, com a mesma cara de santa honestidade, gabar-se uma vez mais, largando de mão sua natureza calamar, para ser traíra: "Vocês viram o que está acontecendo aqui na Casa Civil, dentro do meu Palácio"...
Guardem esta cena captada pelas lentes da Agência Brasil. Ela vai sumir do mapa. Tão cedo Lula não convidará Erenice para a mesma mesa.

O próximo passo é mais do que sabido: Lula vai dar as as costas para a rede de parentes e companheiros dessa Guerra perdida, uma tal de Erenice surpreendida com a boca na botija. É apenas o replay do que ele sempre faz quando bate a vergonha de não poder carregar. E nem precisa fazer mais nada, a galera agradecida vai comemorar "Lula, Maravilha"!

Só tem uma coisinha mais: quando é que ele vai anunciar que a turma boa de Guerra vai devolver a nossa grana?!?

Ah, sim... Lula ainda não disse "Vocês viram o que aconteceu lá na Receita"... E Dilma não se lembra de ter dito ontem que "Erenice Guerra é de total confiança".

RODAPÉ - Lula já teria a substituta de Erenice Guerra, que substituiu Dilma, que substituiu Zé Dirceu... É Miriam Belchior - governanta do PAC, cuja mãe, por delegação divina, se chama Dilma. A grande credencial de Miriam Belchior é o fato de ela ser mulher. Lula deve achar que nada é melhor para a Casa Civil, do que uma dona de casa prendada e com mania de limpeza. Quem sabe lá até se não passa a usar alvejante Veja.