25 de mai de 2010

TV Lula

Lula é assim, sempre que pode incopora o grande contador de lorotas que há dentro dele. Não há espaço físico naquele corpo para abrigar a um só tempo o Presideus e o parabolista. O ego sempre inchado empurra para fora o narrador compulsivo, seja lá qual for a ocasião.
Na segunda-feira, dia de lançamento do canal internacional da TV Lula, também chamada TV Brasil, o Presideus estava com a azia de sempre e depois de reclamar que "os jornalistas brasileiros só mandam notícias ruins para o exterior", contou mais um de seus casos.

Distraiu-se e traiu-se revelando o Lula Da Silva que tem dentro dele ao referir-se ao canalete que estava lançando para 49 países da África como "minha televisão internacional". Disse isso com graça, com o humor que sempre enfia goela abaixo de quem está na fila do gargarejo. E parabolou:

Lula se dá bem com a turma do gargarejo

"Eu reclamava muito com o Franklin, eu falava: rapaz, você deste tamanho e não me consegue fazer minha televisão internacional, eu preciso de uma televisão e eu estou saindo daqui a sete meses".

O Franklin aí desse papo parabólico é o Martins, A Voz da comunicação do governo. Lula queria apenas justificar em tom de piada a demora para realizar o projeto de uma emissora chapa branca.

Não disse nada que o país inteiro já não soubesse: a TV Brasil é mesmo a TV Lula. Um canal criado para promover o governo, o Presideus e seus apóstolos de todo os escalões e coturnos.

Frank - A Voz do Palácio, se fez ouvir como que estava se segurando: "Um momentinho só, preciso ir lá fora".

Logo que a claque sorriu, Lula teve azia novamente e meteu os cachorros na mídia: "criou-se no Brasil uma mentalidade de que tudo o que era público não prestava."

O Presideus mostra a sua discípula para fins eletrônicos, o tamanho da TV Lula.

Lula rouquejou que não tem medo das críticas que serão feitas à expansão do canal. E emplumou-se: "Eu estou num momento da vida que quanto mais mal de mim eles falam melhor para mim. Porque, quando se mente demais, as pessoas descobrem que é mentira. Então, eu não queria uma televisão para falar bem do Lula, eu queria uma televisão para falar bem deste país, para divulgar as coisas boas do Brasil".

Ele só não disse nada sobre a sua ferrenha convicção ao preceito de Göebells de que uma mentira repetida mil vezes vira verdade.

O povo brasileiro que Lula insiste em chamar de "as pessoas" já descobriu que a tal "mentalidade de que tudo que era público no Brasil não prestava" não é mentira; é a pura verdade. Sabe mais: que o "público" no Brasil Da Silva é propriedade privada de quem domina a massa e balança a pança.

Dessa vez, ao chamar a TV Brasil de "minha televisão internacional" Lula Da Silva não estava mentindo. A grande verdade é que a TV Brasil é a TV Lula.