18 de mai de 2010

O PAC DO URÂNIO & COISAS DO BRASIL


DESCONTABILIZADO
Eurides Brito, a circunspecta senhora flagrada naquela cena pornográfica de enfiar dinheiro na bolsa, depois de trancar cautelosamente a porta da sala onde ficou às sós com Barbosa, o delator premiado, prestou depoimento. Disse que a grana era para a campanha de Joaquim Roriz. Então tá, não foi para comprar panetone; foi para o leilão da bezerra. Dinheiro não contabilizado é só sonegação, não carece de moral nem vergonha.

RESSACA
Celso Amorim reafirma o "compromisso" do Irã. Para o apóstolo de Lula nas Relações Exteriores, o anúncio do governo Ahmadinejad de que continuará enriquecimento de urânio após acordo firmado com Brasil e Turquia não é ameaça. Claro que não... É deboche.

O FIASCTÓIDE DO TEERÃ PELO MUNDO
Súmula da repercussão do acordo de Lula com Ahmadinejad que só o presideus brasileiro levou a sério.

Washington Post: Acordo da Ilusão;
Governo dos EUA: Acordo não garante palavra de paz do Irã;
Israel: Lula e Turquia foram manipulados por Ahmadinejad;
Alemanha: Lula pode estar assinando sozinho um documento de bomba nuclear;
França: O acordo não diz nada.
Irã: Vamos continuar enriquecendo urânio a 20%.

VIDE BULA
Aí então, a polícia pegou um padre despido de seus pudores, caindo de bêbado, depois de ter celebrado às escâncaras mais um casamento alheio no exercício de seu venerando sacerdócio, cheio de votos de pobreza e castidade. Na cadeia, ainda nu com a mão no bolso, o padre exibiu-se deprimido. Seus advogados já esboçam a tese de defesa: ele foi acometido de uma crise de hipertesão e decidiu seguir à risca a receita do ínclito Zé Temporão, discípulo da Saúde de Lula. A persistirem os sintomas, o padre continuará em cana.

SUPERAÇÃO
Dilma começou a semana se superando. No mesmo dia, ela conseguiu usar dois discursos a respeito de tarifas. Pela manhã, na rádio CBN, Dilma defendeu a velha Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) - derrota atravessada na garganta de Lula - e disse que "será muito difícil melhorar a saúde pública sem aumentar impostos".

À tarde, em patética entrevista ao “Programa do Ratinho” do SBT, bancou a protetora dos pobres e oprimidos defendendo a redução da carga tributária e a desoneração de diversos produtos como remédios, energia e da folha salarial. Se tivesse mais um programa à noite, faria os dois dicursos ao mesmo tempo. Bem do jeito que ela tem revelado gostar e fazer. I la nave va.