27 de mai de 2010

DUNGA BAFEJADO NO BOTA-FORA PALACIANO

Dunga sempre foi bafejado pela sorte. Tanto acredita nisso que, além de convocar a seleção errada, ainda desafiou os deuses da bola ao deixar-se abraçar e bafejar - veja que ele não retribui o amplexo oficial - pelo Presideus mais pré-frio da história do futebol brasileiro. Continua sortudo: no último momento antes de embarcar para África conseguiu no bota-fora palaciano o azarão que precisava para dar como desculpa quando voltar de lá com as mãos abanando.