10 de jul de 2010

A rubrica da Dama de Ferro

Dilma jura que não assinou aquele papelório "duro e sem ternura" que foi apresentado à Justiça eleitoral, logo depois retirado e trocado por outro mais brando. Ela garante que apenas rubricou as páginas.


Nem vale a pena pensar que a postulante não dá a mínima importância a sua própria rubrica; nem vale a pena também pensar que a postulante traça suas garatujas em documentos que não lê... Mesmo quando se trate do esboço do programa oficial para o governo de uma dama-de-ferro.

O que importa mesmo é saber que está escrito e rubricado um calhamaço que mostra direitinho o que é mesmo o que a postulante e seus seguidores pensam e querem colocar em prática assim que aparecer a primeira oportunidade. E, se um dia isso acontecer... Adeus liberdade de credo, de pensamento e de expressão.