23 de abr de 2010

LEI & ELEIÇÃO

O RIGOR DA LEI - Ricardo Lewandowski, afirmou na noite de ontem já como novo presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral),  que a Justiça Eleitoral adotará "máximo rigor" para coibir irregularidades cometidas pelos políticos, como o financiamento ilegal de campanhas, propaganda eleitoral indevida, abuso de poder político e econômico e a captação ilícita de recursos. Se for verdade mesmo, desse jeito esta será a primeira eleição brasileira sem campanha eleitoral. Candidato que se preza no Brasil Da Silva não sobrevive cumprindo a lei.

O QUE NÃO FOI - Ciro Gomes, ex-quase-pré-candidato, nunca teve volta de onde se encontra sem jamais ter chegado lá. O governo tem muito mais para oferecer ao PSB do que uma reles Presidência da República, função que hoje qualquer um pode trocar pelo notável cargo de cabo eleitoral.

ZERO Á ESQUERDA - Ciro Gomes está sendo defenestrado porque os caciques(!?) de seu partido acham que ele não contribuiu com nada até agora para a ascenção da campanha da postulante Dilma Roucheffe. Quer dizer, nem mesmo dentro de sua grei, Ciro foi candidato a qualquer coisa.

O COVEIRO - Lula tem a pá de cal para sepultar de vez a expectativa e a esperança dos aposentados por um aumento salário digno e mais que merecido. Enquanto parlamentares oposicionistas pedem - nem se sabe bem por quê - 7,7% de aumento para quem ganha mais do que um salário mínimo, os tropeiros do Palácio fingem que oferecem 7%. Lula já ameaçou que vai vetar qualquer proposta que chegue em sua mesa acima de 6,14%. Ele alega que  não pode "gastar" 1,1 bilhão de reais por ano com os velhinhos. Isso, ele e seus 40 ministros gastam com a gandaia de seus cartões corporativos a um simples grito de "Abre-te Sésamo".

ANTES SÓ - Depois de tudo que seus seguidores fizeram para derrubar a candidatura de Ciro Gomes, Dilma Roucheffe - que como de hábito não sabia de nada - disse ontem numa rádio de Goiás que estará ao lado de Ciro em qualquer situação. Ciro sai com uma mão atrás e outra na frente. Já o seu partido é outro departamento.