14 de jun de 2010

QUASE

Na festa em que Lula balançou a pança e comandou a massa, Dilma acusou adversários de usar "veneno". Aí, lá pelas tantas, mordeu a língua. Teve que ser atendida às pressas.

CAFÉ COM DILMA
Lula, aquele que quer ser chamado de Dilma - tomando café com ele mesmo no rádio, disse que emprestar dinheiro para pobres no Brasil é bom negócio: "Pobre é bom pagador porque tem como patrimônio maior o seu nome e a sua cara". Faltou dizer que, sem pedir emprestado, pobre não vive no Brasil. Mas, bem que o Lulinha não se queixou quando recebeu uma mãozinha para largar o emprego lá no Zoológico de São Paulo. Isso prova que emprestar pra rico também não é tão ruim assim. Mesmo quando o nome e a cara não sejam lá essas coisas.

BAIXARIA INEXISTENTE
Gráfica de Bené atuou para agência do mensalão. A Gráfica Brasil, da família de Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, empresário brasiliense que até semana passada vinha atuando como uma espécie de gerente informal da campanha de Dilma Rousseff, aparece como destinatária de pagamentos das agências de publicidade DNA e SPM&B, dois dos principais dutos do mensalão do PT. (Estadão).
RODAPÉ - Grande coisa, assim como os dossiês, essa gráfica "não existe". É baixaria da oposição.

FAÇAM O QUE EU FAÇO
Na convenção petista de domingo que lançou a candidatura de Dilma, o cabo eleitoral Lula da Silva abordou - como bom pirata - o caso da tal investigação encomendada contra políticos do PSDB. Com o olhar voltado para lugar nenhum, como se lá estivessem tucanos, demos e outros fariseus o presideus alertou: "não façam o jogo rasteiro, inventando dossiês todo dia". Lula - pode chamá-lo de Dilma - continua sem ver nada, sem saber de nada. Grande adepto do "façam o que eu digo e o que eu faço, mas façam de conta de que eu não faço".

DILMA NÃO LARGARÁ O OSSO
O cão é o maior amigo do homem. Lula é o homem... Os cães fiéis da República dos Calamares já estão preocupados com o que será do ego de seu homem sem a voz rouca das ruas, o som vuvuzelano das claques, o rangido dos palanques. Sem um PAC o homem vai ter um piripac. É mais do que sabido que ele vai ter que se acostumar com a distância do poder por pelo menos oito anos. É o tempo mínimo que Dilma - sua homônima - lhe dará para descansar, se por acaso ela sentar na sua cadeira palaciana em janeiro do ano que vem. Dilma - a mulher, tão cedo não vai querer largar o osso.