21 de jun de 2010

O Arraiá da Corte e os Arraiás...

Foto: R. Stuckert/PR


Como o Brasil já se acostumou a ver, a Granja d'Ele virou Arraiá.

A festa de sábado para domingo custou às burras públicas míseros R$ 215 mil aos compungidos corações brasileiros.


ENTREMENTES...

Na mesma Brasília, Maria dos Santos, 19 anos, saiu de casa no sábado à noite para participar de uma festa junina com amigos e familiares. Por volta das 23h de sábado, ela se despediu do tio, Deusdeth Xavier de Miranda, de 34 anos, com quem morava.

O seu corpo foi encontrado degolado e completamente nu no começo da noite de domingo (20/6), em uma vala entre a Feira Permanente de Samambaia e a Estação do Metrô. Maria era balconista de uma padaria e morava em Brasília há dois anos. Ela veio de Brejolândia, Bahia. Não, ela não saiu para ir ao Arraiá do Torto. Apenas pensou que teria a mesma segurança para ir e vir a uma simples festa junina. É que há o Arraiá e arraiás.

RODAPÉ - Não é que o poder não possa fazer seus arraiás; nem se pretende sequer pensar que, em fazendo ou não um arraiá, as tragédias serão evitadas... O que se vê é que o Arraiá da Corte é seguro, feliz, cheio de paz e amor; já os arraiás populares não tem santo que os proteja.