13 de jun de 2010

Dilma - Dama de Ferro

Lula - quem diria?!? - um tremendo espada, agora se saiu com essa do armário:

- Mudei meu nome para Dilma nesta eleição.

Já se sabia que do peito pra baixo, tudo era canela...Que estava valendo tudo... Já se sabia até que há muito tempo Lula trocou o cargo de presidente da sua República pelo emprego de cabo-eleitoral. Mas essa troca assim, de repente, de Luiz Inácio para Dilma, ninguém esperava.

Já pensou, você dar de cara com Lula na rua, na lua, na casa, na fazenda e ele se apresentar pra você:
- Muito prazer, meu nome é Lula... Mas pode me chamar de Dilma.

Quem diria que lá de dentro, daquele peito enorme e inflado, saltitaria uma esfusiante Dilma?!? Não há nada como um bom palanque para fazer esse pessoal usar salto alto.

Está certo, é domingo - dia que até o Criador tirou pra descansar depois de praticar a sua mais desastrada invenção, o mundo. Então, se foi assim, um Presideus também pode tirar uma folguinha do cargo numa hora dessas, afinal ele é o que é, mas não é de ferro.

Se fosse, aí sim, estaria consagrado. Com a popularidade e o poder que desfruta, seria logo cognominado de Dilma - Dama de Ferro do Brasil Da Silva.

Aí, lá em plena convenção petista, já com a nova identidade, mas sem afinar a voz foi assumidamente retumbante:
- Chegou a hora de uma mulher comandar o país!

E disse isso bem ali, na cara de Michel Temer que acabara de se basofiar de que não seria coadjuvante, seria protagonista:
- O PMDB vai elaborar o governo! O PMDB vai ser o governo!

Assim é que, numa hora dessas, ninguém sabe mais em quem acreditar: no Temer ou nas Dilmas que andam por aí?!? Acredite em quem quiser, a vida é a arte da escolha. Você tem tempo até outubro. Até lá, muitas dilmas vão se revelar.

RODAPÉ - Outro dia, antes da mudança de identidade, Lula disse que a Dilma era o Nelson Mandela... Agora, Lula diz que é Dilma... Não pode ser reeleito... Acho que Lula está mandando a gente, em outubro, votar em Mandela. Desde que Lula não troque o nome de Nelson para Winnie, ou Marina, ou... Não, pra Zé Serra, não!