30 de out de 2010

Respingue-Pongue na TV Globo

Na foto da TV Globo o cerimonial do engole-sapo. Veja quanta ternura no olhar e nos lábios o sinal de que um acabou de engolir o outro.


E, então, o período político pré-eleitoral acabou sem nenhum debate na TV. O programa de ontem foi mais um campeão de audiência de perguntas e respostas, ao mais descaracterizado estilo pingue-pongue, já que as perguntas eram curtas e as respostas exaustivas. Não valeu a pena ver de novo.

Serra não teve jogo de cintura nem malícia para mostrar à platéia que todos problemas levantados pelos "entrevistadores" ungidos pelo confiabilíssimo Ibope tem, pelo menos, oito anos de idade. Preferiu bancar o administrador do futuro, aquele que viria a ser um dia como presidente, se não fosse derrotado no próximo bloco, logo depois dos comerciais. O grande "debate" virou um sonolento respingue-pongue. Serra não tirou Dilma para dançar. Bailou na curva.

De qualquer maneira dos dois candidatos tiveram um grande mérito: provaram que os "debates" engessados pela política de super-produções televisivas já não formam opinião alguma e nem levam a lugar nenhum. Nuncanahistoriadatevê os indecisos foram tão indecisos como na sessão coruja dessa sexta-feira meia-boca. Foram indecisos até quando perguntaram suas cansativas obviedades. E mais ainda quando o espetáculo acabou.

Ficou a impressão de que - se resolveram alguma coisa - os indecisos afinal se decidiram: vão viajar no feriadão. Foi para isso que o programa serviu. Nesse domingo, seja lá o que Deus quiser. É o dia da gente saber se Ele continua sendo brasileiro, ou se também já anda ensinando javanês.

REPÚBLICA DOS CALAMARES

SUCESSÃO - Nessa campanha do segundo turno, Zé Serra passou o tempo todo bancando o candidato à sucessão de Lula, como se Aécio Neves já não fosse o substituto de Dilma daqui a quatro anos.

NA DURA LEI - Na política, como no futebol, quem não faz, leva. Eleição é como um filme de bangue-bangue: quem não mata, morre.

ILHA DA FANTASIA - Bonito aquele carrinho da Globo que transportava os candidatos. Só estava faltando o pequenino Tatoo para receber os visitantes.

JUSTIÇA - Para não continuar sendo cega, a Justiça deveria intimar o presidente Lula para corrigir a prova de português do Tiririca.

O FUTURO - A Assembléia de São Paulo resolveu convocar Tiririca para provar se sabe ler e escrever. O TRE decidiu que Tiririca não é obrigado a nenhum teste para mostrar que não é analfabeto. Na próxima eleição, ele tem tudo para ser eleito presidente da República.

A COR DO PECADO - O TSE devolveu o mandato de deputado federal a Cleber Verde, expulso do INSS onde trabalhava por ter sido condenado pelo pecado de cometer fraudes nas aposentadorias. O tribunal descobriu que o ministro da Previdência, Carlos Gabas, anulara a punição ao funcionário. Agora, além de ser consagrado deputado Cleber Verde vai receber os salários "atrasados" que não lhe foram pagos desde 2003. Imagine se Cleber, ao invés de Verde, fosse maduro.

O DESCOBRIDOR - No governo Lula só uma coisa superou a sequencia de escândalos: as oportunas descobertas de reservas de petróleo em camadas de pré-sal.

O BRASIL É UMA BOLA

SEM GRAÇA - Mano Menezes já está abusando. Esperou Maradona ser demitido para convocar Ronaldinho Gaúcho e Neymar. Assim é uma barbada ganhar da Argentina. Não tem graça nenhuma derrotar los hermanos sem as caretas de tragédia do Maradona.

BENDITA SEJA - Esse Douglas do Gremio é um Arouca piorado. É um pecado tricolorizar a Seleção, Mano deveria santificá-la um pouco mais.

MACHUCANDO CORAÇÕES - Foi de dar dó ver as meninas do volei feminino do Brasil cairem sentadas na quadra contra a República Tcheca. Não é time pra machucar assim os seus melhores perfís.

CONTRAPARTIDA - Em contrapartida, que prazer ver aquele monte tchecas espalhadas pelo chão quando as brasileiras as atacavam. Nada como furar o bloqueio das tchecas. Tanto é que o próprio Zé Roberto pediu tempo e mandou enfiar a mão com vontade nas tchecas.

MAU OLHADO - Um amigo meu diz que assiste o volei feminino só para ver aquelas palmadinhas que elas trocam entre si a cada ponto: - É como se elas fizessem um striptease - garante o exagerado.