23 de out de 2010

Caráter

Cientista político, filósofo puro e crítico gratuito de farsantes profissionais, o Garanhão de Pelotas - nosso correspondente internacional em períodos de eleição para qualquer coisa - de presidente da República a metalúrgico anistiado por defeito de manipulação - ensina que para ser político e, um dia chegar até a ocupar o alto cargo de cabo eleitoral de um lhegalhé qualquer, o homem precisa ter caráter.

O Garanhão, para melhor se fazer entender, relaciona neste espaço os traços principais que uma "pessoa não comum" - como certas figuras gostam de rotular seus companheiros bons e batutas - precisa carregar consigo pela vida afora. E não se faz de rogado:

01. Por homem de caráter o Garanhão entende ser aquele que tem o propósito de permanecer tal como é, perseverando em suas metas, em sua palavra e na sua conduta;
02. homem de caráter é aquele cuja vigilância forte e vontade firme não permitem que vire camaleão, assumindo as cores das coisas que o rodeiam;
03. homem de caráter é aquele que não muda de sentimentos, nem pelo sucesso, nem pelas sensações, muito menos pelo medo do ridículo;
04. homem de caráter é aquele que não acende uma vela para Deus e outra para o diabo;
05. homem de caráter é aquele que não se vangloiria de ser tal como deseja parecer e não de ser exatamente como, na verdade, é;
06. homem de caráter é aquele que não deixa a popularidade traira a própria consciência;
07. homem de caráter é aquele que não busca tanto o próprio bem quanto procura fazer bem aos outros;
08. homem de caráter é aquele que sabe o que faz e porque faz;
09. homem de caráter é aquele que tem o espírito nobre, que se mantém imune ao que não pode ficar impune, que tem altivez de objetivos, claridade de propósitos, franqueza de atitudes.
10. homem de caráter é aquele que reparte com os demais os sentimentos de lealdade, honestidade, sinceridade e de respeito à liberdade de todos.

Moral da história: Não são os gênios sutís que formam as nações; em geral são os rudes, toscos e falastrões que acabam moldando a in/consciência coletiva. Para o Garanhão de Pelotas, pior que a um homem sem caráter é uma mulher que toma o seu lugar. Não por ser mulher; por ser quem é.