3 de nov de 2010

Baixou Dona Solange no Jornal da Band, ou... Quem desloca recebe.

Ontem, no jornal da TV Bandeirantes, em mais um episódio da primeira minissérie de entrevistas televisivas como a simpática presidenta do Brasil, Dona Dilma deixou aflorar a Dona Solange que habita sua alma, coração e vida.


Perguntada sobre a questão do cerceamento à liberdade de expressão, ela reiterou com doçura que "prefiro o som da crítica ao silêncio da ditadura". Em seguida, diante da lembrança que o repórter lhe proporcionou dizendo que Franklin Martins - o Caçador da Mídia, estava promovendo um encontro internacional justamente sobre a matéria, a Mulher da Tesoura falou mais alto e ensinou com dura presteza: "É preciso saber diferenciar o que é censura e o que é marco regulatório"...

Quer dizer, o sumiço de Martins - O Tesourão, é apenas um desvio do mapa que vai mostrar ao mundo que o Brasil é um imenso laranjal. Laranjas se espalham por todos os estados brasileiros plantando a criação de conselhos estaduais de controle social das comunicações. Baixou ontem, em pleno jornal da Band, a Dona Solange que mora em Dona Dilma. Ela não soube esconder.

Talvez nem perceba que os jornalistas sem patrão sabem discernir o que é "preferir o som da crítica..." de um simples e sincero "defender o som da crítica contra o silêncio da ditadura". Esse negócio de "preferência", o perspicaz treinador de futebol Otto Glória já tratava com seus jogadores: "Quem desloca recebe; quem pede tem preferência"... Mas tinha que parar o treino à toda hora. Quase nunca era obedecido.